Arquivos da categoria: Viagens de corpo e alma

Que ninguém nos ouça!!!!

li1

Por Claudia Campanhã

Aaaaahhhh, que saudade! Quanto tempo sem escrever pra você que nos lê por aqui!!!

A distância necessária do notebook, para colocar as ideias nos lugares certos, e o descansar do corpo, testado ao limite em 2016, só aumentou minha vontade de estar aqui, fazendo o que mais amo: alimentar esse blog com tudo aquilo que acredito para levar a você,  um refresco da realidade de todos os dias.

Nesse período de festas/recesso, consegui terminar um livro que estava com muita vontade de ler: “Que ninguém nos ouça: Terapia virtual entre duas mulheres”. E que leitura deliciosa, viu?

Cris Guerra, que eu amo por ser a pessoa mais entendida de moda nesse país, e ainda, ser dona de um estilo incrível, entre outras qualidades, e Leila Ferreira, jornalista, escritora e palestrante, são duas mineiras cheias de delicadezas, mesmo quando precisam ser fortes.

li2Cris, à esquerda, e Leila: força e delicadeza para falar de temas femininos e dos enigmas da alma…

Mesmo com amigos em comum e tantas semelhanças de vida que poderiam ter provocado uma aproximação entre as duas, pessoalmente, o encontro dessas mulheres se dá de fato, de forma virtual.

Tudo começa com um e-mail que Cris envia à Leila (quando ainda não eram amigas), por ocasião do lançamento de um livro. Voltando de uma viagem a Buenos Aires e tendo o tal livro de Leila como companhia, Cris resolveu enviar uma mensagem à autora, elogiando o trabalho, que havia realmente mexido com os sentimentos dela. O primeiro e-mail é respondido…aí vem um outro e começa com isso, um bate-papo que durou aproximadamente quatro meses!!!

li6

Recortes do dia a dia, de mulheres muito diferentes, aparentemente, fazem com que a curiosidade sobre o próximo “e-mail”, ou melhor, página do livro, aumente conforme a leitura.

Entre um e-mail e outro, inicia-se ali uma série de desabafos e confidências, com direito a lágrimas e risadas. Exatamente como deve acontecer num bate-papo com amigos. O título fala de terapia virtual, talvez como uma forma de chamar atenção para essa longa e curiosa conversa, mas a meu ver, o que ocorre ali é uma manifestação da mais pura e genuína  amizade, dessas que não precisam da presença física para ter valor e importância.

São várias histórias com as quais nós, mulheres, nos identificamos imediatamente e nos fazem ficar com vontade de também participar daquele diálogo, oras engraçado, oras melancólico e profundo, oras absolutamente redentor. Testemunhando o relacionamento entre essas amigas, sentimos que não estamos sozinhas em nossas dúvidas, alegrias e dissabores. Dentro da gente, nasce uma faísca, um impulso em direção às mudanças dentro e fora de nós mesmas.

li3

A troca de emails ricos e cheios de sentimento se transformaram em crônicas para aquecer o coração, a qualquer tempo…mas neste início de ano, elas causam um impacto ainda maior!

Ler esse livro representou para mim, um belo  encerramento de ciclo e o começo de outro, que particularmente, espero que seja diferente em muitas coisas. O que li me fez refletir sobre o real papel das amizades hoje e deu novo significado a essa modalidade de relacionamento.

Pra iniciar esse 2017, aumentei minha dose de esperança e subi o nível da minha expectativa, porém, sem achar que tudo PRECISA dar certo. Na verdade, acontecerá só aquilo que realmente tiver que acontecer. E quando a gente pensa dessa forma, sem o desejo de controlar os resultados  consequências, o medo de que as coisas possam dar errado, simplesmente desaparece.

Em resumo, e voltando a falar do título, quando se diz “Terapia Virtual entre duas mulheres”, concluo que a verdadeira terapia não ocorre somente entre as escritoras, mas com quem lê o livro, se transformando assim, numa terapia bem mais abrangente do que elas poderiam ter imaginado.

É claro que agora, só resta a você terminar de ler esse post e sair correndo em busca do seu exemplar. 😉

li4

Que tal nossa sugestão de férias?

Fotos: Reprodução

 

 

Obrigado, Thank you, Gracias, Domo Arigatou!!!!!

diy-festa-de-aniversario-2

Por Claudia Campanhã e Eduardo Carvalho

Foi em 21 de outubro de 2015.

Eu e Edu, sempre cheios de assunto e de sentimentos a sair pela boca, há algum tempo vínhamos falando de como ‘colocar pra fora’ tudo o que se passava lá dentro da gente e tivemos a ideia nada original de criarmos um blog.

Continue lendo Obrigado, Thank you, Gracias, Domo Arigatou!!!!!

WhatsApp Image 2016-09-05 at 15.50.37

Art of the Brick – Aquela exposição do Lego, sabe?

Por Claudia Campanhã

Sabadão, 03 de setembro de 2016. Depois de almoçar com meu irmão e minha filhota-companheira-de-todas-as-horas, lá fomos nós para o Parque Ibirapuera, mais precisamente, à OCA, onde acontece a exposição “The Art of the Brick”.

Continue lendo Art of the Brick – Aquela exposição do Lego, sabe?

Maceió: Destino luxo

mc7

Por Claudia Campanhã

Resolvi aproveitar o final das férias escolares da minha fiel escudeira Lorena para viajar em nossa  última semana de folga.  O destino escolhido foi Maceió, capital de Alagoas, que eu já visitara há 10 anos.

Continue lendo Maceió: Destino luxo

Sobre Amadurecer

descostru-640x300

Por Eduardo Carvalho.

E um belo dia eu acordei e percebi que tudo o que  havia planejado não aconteceu. A frustração, ao constatar  que as metas de vida  não foram atingidas, abriram  um abismo entre o que eu era  e o que desejava ser. O que fazer nessa hora?

Lidar com os sentimentos que surgiram a partir desta constatação foi  uma experiência complexa. Inicialmente, tudo se misturou e escolher o caminho para seguir se tornou praticamente impossível. Nesses momentos, eu sempre recitava para mim: “tenha calma, tenha calma”, como se as palavras tivessem a força de me tranquilizar e trazer para a minha vida um direcionamento.

12966464_10205804635221960_1174049843_n

Mas viver é para os fortes, como minha mãe sempre costuma dizer. Não há uma única situação, mesmo que se apresente negativamente no começo, que não traga ensinamentos e o tão esperado amadurecimento aconteça. Passar por isso tudo me propiciou uma experiência única, a de me desconstruir. Aos poucos, deixei para trás o que não me fazia bem  e  dei espaço para o novo surgir. Esse novo, que amedronta tanto até hoje, foi a luz no fim do túnel para me reinventar.

Mas se engana quem pensa que esse processo acontece uma única vez em nossa história. Ele é contínuo. Estar atento para não cair nas armadilhas do comodismo é um exercício diário, algo que se deve levar para a vida. Esperar o mesmo resultado tendo as mesmas posturas me soa um tanto quanto incoerente.  Mais uma vez, chegou a hora de sair da zona de conforto. Dói,  é incômodo, mas a recompensa por ousar e ir além é garantida.

chumbo-ricardo-ferreira

Fotos: Reprodução.

Sim, eu AMO Lionel Ritchie

Por Claudia Campanhã

09 de março, um dia depois do Dia Internacional das Mulheres. Meu presente? Assistir ao show do Lionel Ritchie, em Sampa, no Ginásio do Ibirapuera.

Nostalgia pura saindo pelos poros, devo dizer. Cada música de Lionel me remete diretamente à infância, quando ouvia as canções dele no rádio do carro do meu pai ou na vitrola de casa. Estava ansiosa para ouvir e cantar tudo outra vez, agora, algumas décadas depois e muito bem acompanhada, pelo maridão.

O show, que teve 1h30 de duração, pareceu passar rápido demais, tamanho o prazer em curtir meus sons favoritos e dançar como se não houvesse amanhã! Nada ficou de fora do set list que incluiu até a famosa “We are the World”, composição de Lionel Ritchie e Michael Jackson, da década de 80. “Hello”, ‘Stuck on you”,  “All night long”, “Endless Love”, entre outras, da época do Commodors (banda em que Lionel ficou até 1982), transformaram o ginásio num imenso karaokê. Lindo de ver.

Lionel, aos 66, deu um banho de vitalidade e alto astral. Em plena forma, cantou muito! Voz cristalina e totalmente preservada, mesmo depois de 30 anos, não pra qualquer um. Foi mega simpático com a plateia, interagiu bastante e tirou até self coletiva com os fãs, da primeira fila.

Saí do show muito, muito, muito animada. Superou minhas expectativas e agora, só me resta baixar tudo o que ouvi dele e quem sabe, me sentir tão bem quanto no show, que fez jus ao nome: “All the Hits All Night Long”.

li1Logo no início do show, Lionel foi recebido com presentinhos das fãs…

Li2

li5

Ao final de cada hit, a plateia parecia vir abaixo.  Do palco ele dizia pra si mesmo “amazing”, “cool”, “oh, my God” rsrs.

Li4

Por essa eu não esperava mesmo!!!! “We are the World” e um coral de 6500 fãs!! Encerrou os trabalhos com chave de ouro.

li3

Antes de Sampa, Lionel passou por Curitiba e Rio de Janeiro, onde visitou o nosso Cristo Redentor.

Fotos: Reprodução

Poetizando São Paulo

mada_9-910x606

Por Eduardo Carvalho.

A vida é feita de detalhes. Nesse emaranhado de trabalho, rotina e correria, muitas vezes eles passam despercebidos, principalmente quando se mora em São Paulo. O concreto deixa tudo mais rígido e cinza, e às vezes, é preciso se esforçar para não deixar a vida com essa cor também.

4500d0263282bd04bb33df626e89666a

Criado em 2009 por Ygor Marotta, a intervenção “Mais Amor Por Favor” , distribuía lambe lambes  por toda a cidade com a frase. Ygor enxergou nas ruas um lugar para  disseminar sua mensagem.

Com o poder de arrancar sorrisos inesperados e deixar o dia dos atentos um pouco melhor,  pequenos detalhes começam a aparecer despretensiosamente e mudam a paisagem da cidade. As intervenções urbanas começaram a aparecer timidamente pela cidade de hoje se apropriaram do espaço público.

letras-engarrafadas6

“Letras Garrafais”, concebido pelo artista Alessandro Novello, espalha gentilezas em em forma de frases estampadas em garrafas pela cidade de São Paulo. Para acompanhar seu trabalho, siga seu perfil no Instagram: @alenovello .

Com um suspiro de vida,  artistas e a própria população, em uma atitude de inconformismo, decidiram  trazer leveza e arte para além de suas casas, permitindo que o coletivo te contamine positivamente por pequenas gentilezas.

coletivoescalahumana

E se você pudesse colher os temperos de sua casa no poste de sua rua? É isso que propõe o Coletivo Escala Humana. A ação pretende envolver a população,  com os cuidados da pequena horta e assim, motivar todos a cuidar do  espaço público.

Convido cada paulistano, seja por nascimento ou por adoção,  a perceber um novo cenário urbano  e criar uma relação afetiva com a cidade , através de uma nova ótica. Se abra ao inusitado!

tumblr_n55uq9CB4x1tq2ph4o1_1280

Como o próprio nome diz, o projeto “Esqueça um Livro”, idealizado por Felipe Brandão, convida as pessoas a esquecerem livros em locais públicos de São Paulo. A iniciativa tem como foco despertar o prazer  pela leitura.

Fotos: Reprodução.

Por uma vida menos óbvia

an6

Num momento em que o Brasil inteirinho vivencia mudanças na política, na economia e no comportamento é esperado que nós, brasileiros, também estejamos passando por transformações quanto ao nível de vida e a qualidade de nosso dia-a-dia.

Conhecer histórias de quem se reinventou, independente do que acontece à volta, é um alento e tanto. Pelo menos, foi isso o que senti quando conheci, num evento, a artista plástica Anelise Bredow, há cinco anos. Era aí também que eu comecei a acompanhar o trabalho dela e vez ou outra, encomendar meus tesouros para a casa. Virei fã.

an11

Anelise, sempre foi apaixonada por cerâmica e por isso, foi trabalhar numa grande empresa do setor ceramista. Com os anos, ela descobriu que precisava deixar a vida mais colorida, verdadeira e emocionante. Juntou coragem, se desligou do emprego, mudou de cidade e decidiu por outro caminho.

Logo nasceu o Ateliê que leva seu nome, em Morro Reuter, no Rio Grande do Sul. O lugar onde começou a criar novas raízes, integra um roteiro de charme pelo Sul do País e oferece uma vida completamente diferente do que levava antes. Muito mais tranquila, com o essencial para aproveitar o HOJE e para fazer acontecer.

an10 an5an1

Criar com liberdade, observar a natureza, reproduzi-la no próprio trabalho e caminhar sobre as estrelas. Poético, eu sei. Mas real em Morro Reuter.

É desse Ateliê que surgem esculturas, painéis, objetos decorativos, quadros, vasos, potes, luminárias e até acessórios fashion, como colares, por exemplo. Em  cada peça, um pouco da alma dessa artista que teve a coragem de ouvir a voz do coração e começou a se expressar através dele. Com formas, cores e muita verdade. Privilégio!

an8 an7

E quando a gente entra no Ateliê, não é só com as peças fantásticas que a gente se encanta. O clima que remete à casa de campo e o ambiente inspirado, nos arrebatam instantaneamente.

an9

A renda impressa nas cumbucas enfeitam e surpreendem. A delicadeza sobre o barro, que a gente não costuma imaginar…

an3

E às vésperas do Natal, a árvore não poderia ser óbvia também. Reúne placas, enfeites, pratos, pendentes e magia. 

Gostou? Bora conhecer?

O Ateliê está em Morro Reuter, uma pequena cidade na Serra Gaúcha, nas margens da BR 116, caminho de quem vai de Porto Alegre a Gramado, passando por Nova Petrópolis.

Endereço: Rod. BR 116, KM 217, nº 851 – Tel: (51) 3569.2220 – (51) 8166.0181 –

E-mail: anelisebredow@gmail.com

Fotos: Anelise Bredow