54369_w840h0_1491243282132-copy

13 Reason Why e o Bullying

Por Eduardo Carvalho.

Vamos falar de coisa séria hoje. Nesse fim de semana, comecei a assistir “13 Reasons Why”, série nova do Netflix, que aborda o suicídio de uma garota aos 16 anos. Para explicar o motivo pelo qual tomou esta atitude extrema, Hannah Baker grava 13 fitas K7, listando as treze razões e as pessoas que “influenciaram” (bem entre aspas) sua decisão.

Continue lendo 13 Reason Why e o Bullying

As vantagens de ser invisivel

As Vantagens de Ser Invisível

Por Eduardo Carvalho.

Cinema é uma das minhas grandes paixões. Desde pequeno, sempre me encantei em como a sétima arte consegue despertar sentimentos  e me motivar a pensar fora da caixinha. Essa semana revi “As Vantagens de Ser Invisível” e este filme definitivamente merece um post. MERECE! Para mim,  ele está na prateleira de filmes como “ Sociedade dos Poetas Mortos” e “O Clube dos Cinco”.

Continue lendo As Vantagens de Ser Invisível

pexels-photo-261880

Me, myself and I

Por Eduardo Carvalho.

Certa vez, li uma crônica da Lia Luft, chamada “Relacionamento Perfeito”, onde a escritora diz que eventualmente um casal precisa tirar seu contrato da gaveta e discutir novamente seus termos. Essa crônica me marcou e  me fez questionar uma coisa: quando chega a hora de tirar o meu contrato pessoal, individual e intransferível da gaveta, como vou discutir meus termos comigo mesmo?

Continue lendo Me, myself and I

Lambe-lambe em casa!

lambe4

Por Claudia Campanhã

Caaaaaaaalma, senhoras e senhoreeeeeeees! Não é pornografia, nem patifaria, o título do post! Aqui é coisa fina, minha gente! Vamos falar de decoração descolex pra casa, para o escritório, ou para o seu cafofo, se é assim que você chama o espaço onde vive.

Certamente você já viu alguns cartazes na rua, pregados  na parede ou nos postes, com tipografia diferente, colorida e todo o tipo de mensagem, não é? Esses cartazes são os lambe-lambes, um tipo de arte ligada ao grafite e uma intervenção urbana em que são disseminados conteúdos de poesia, propagandas  e até ilustrações.

lambe6

O visual moderninho, com um certo toque de rebeldia, não é à toa! O lambe-lambe surgiu lá pelos idos de 1454, época do Renascimento, e tinha a função de retratar  a Paris boêmia daquele tempo. Mais tarde, o recurso foi aproveitado na Rússia para fazer propaganda política, e também durante o nazismo. Muito tempo depois, no Brasil, os lambe-lambes tiveram grande importância na época da ditadura militar, sendo o meio de comunicação usado pela resistência e pela polícia, para divulgar procurados pelo regime.

Hoje, os lambe-lambes retomaram a função de espalhar arte e aos poucos, vem reaparecendo no cenário das grandes cidades e…por que não, nas paredes de dentro de casa, também. A ideia de considerar o lambe-lambe como um acessório de decoração, inclusive, é genial porque é acessível, fácil de reproduzir e o efeito é incrível.

lambe11

Não ficou um chuchuzinho essa parede com apenas uma coluna de lambe-lambe? Foto:  Blog Minha Casa Minha Cara

Dá para substituir o papel de parede pelos cartazes. O papel ultrafino é o mais indicado e deve ser colado na parede com uma mistura de cola branca e água, que produzem aquele enrugado todo especial no papel, que é a cara dessa técnica. O sulfite também pode ser utilizado, mas o efeito fica diferente.

Os cartazes podem ser fabricados com serigrafia, estencil ou podem ser baixados de sites que disponibilizam alguns modelos, gratuitamente, para impressão. Para quem não está afim de bagunçar a casa, pode também aderir ao lambe-lambe em plaquinhas, que podem ser penduradas ou apoiadas em móveis e que modificam o astral dos ambientes. Veja algumas ideias.

lambe3

lambe7

lamb1

O lambe-lambe é um recurso que deixa o ambiente mais despojado, no entanto, o excesso de informação pode enjoar. A dica é aplicar os papéis em menor quantidade, no caso de espaços em que você permanece por bastante tempo, ou aplicação aos montes em paredes que você vê pouco, criando um “detalhe” no décor.

lambe2

Em ambientes mais sisudos, o cartaz quebra o climão. Como nem sempre dá para colar os papéis na parede, recorra a quadros com essa estética do lambe-lambe.

lambe8 lambe5

Existem lojas especializadas em decoração que vendem kits com um composê de cartazes, coordenados pelos tons ou pelo tema . Fica bacana, mas não é exclusivo.

Fotos : Reprodução

Já é fevereiro? Ah, então é CARNAVAL!!!

Por Claudia Campanhã

As férias já se foram. As aulas, retornaram. O ritmo da cidade volta aos poucos a ser caótico e frenético.  O que se vê pela frente? Um ano inteiro de trabalho? NÃAAAAAAAO! Vem acenando o esperado, idolatrado e querido CARNAVAL!!!

E não importa se sobrou grana depois do material escolar e do IPVA, ok? Carnaval é uma festa de todos e pra todos. Mesmo quem não curte essa época, acaba se beneficiando com os dias de folga que incluem feriado, emenda e quarta-feira de cinzas. E se você acha que é só no Brasil que isso acontece, pasme: no Uruguai, a folia dura um mês!! E se chover, eles prolongam a festa pelo equivalente aos dias “não aproveitados”!!! É praticamente um upgrade da Bahia, minha gente!

carnaval

Animada que sou, já fico penso em como serão os meus dias de farra (quem vê pensa que sou mega descolada, mas na real sou mãe de família, dona de casa, empresária e isso significa que sou ‘out’ do circuito de bloquinhos e coisas da moda). Se não rolar aquela merecida viagem para uma pousadinha em algum lugar do interior,  vou dançar, literalmente, nas matinês do clube com a Lolô.

Quem sabe pinta um din-din extra para dar pinta num camarote na avenida!! Sonhar é grátis, né? De qualquer forma, decidi que vou me jogar em acessórios divertidos para comemorar a temporada e sendo assim, já estou de olho nas novidades . Make caprichada não pode faltar, fantasia me dá um pouco de aflição, mas vai que srge algo fresquinho e estiloso! Meu foco é em acessórios para o cabelo. Dá uma olhada e diga o que acha:

carn9

Miga, é só brincadeira, tá? Não empolgaaaaaaaaaa! E larga a mão de ser ridícula!

carn6

Meu cabelo está curto agora, mas se não estivesse, faria esse. Uma rabo de cavalo, fitas amarradas por cima do elástico e basta trançar cada ponta junto com o cabelo. Pra finalizar, uma flor ( arrancada do vaso da recepção do prédio) e pronto!!

carn7

Essa opção não é carnavalesca, mas te dá liberdade, estilo e se o lenço for coloridão, fica perfeito. Porque se você  é descolada, baby, tem mais é que sair assim no carnaval, mesmo!!!!

carn8

Faça assim: pegue os novelos de lã da vó, acessa um tutorial do Youtube e aprenda a fazer pompons, fofis! Se não usar na tiara, como nesse modelo, vai arrebentar de vender!!! 

carn5

Isso é muito chique e estiloso! Tem uma ‘pegada’ dos anos 30, de look de melindrosa, que é puro charme. O lance é prender o cabelo e finalizar com essas faixas  elástico, que geralmente vêm com pedraria, flores, sabe qual?

carn4

Essa ideia também é fácil de seguir. Uma faixa fina de tecido e elástico e fitas, flores e tiras de tecido é o que você vai precisar para compor esse acessório. Dá pra usar com cabelo solto, trança e e rabo de cavalo. O melhor, parece não incomodar e não é pesado…

carn3

Nota 10 no quesito luxo, poder e glória!!! Acredito se possa ser feita com uma faixa mais grossa de tecido e presa à cabeça com elástico. As borboletas certamente são pregadas. São patches rebordados com miçangas!!! Os fios são de linha de algodão e vidrilhos…

Fotos: Redprodução

 

 

changeartigokanada

Resistir às mudanças, por quê?

 Por Eduardo Carvalho.

Eu sempre fui uma pessoa extremamente resistente à mudanças. No menor sinal delas acontecendo, a ansiedade já tomava conta e era natural ficar confabulando um milhão de cenários, sem mesmo ter vivenciado a experiência. Me lembro de uma discussão com um amigo de dizer que ” eu era daquele jeito e que nunca ia mudar”. Que equívoco.

Continue lendo Resistir às mudanças, por quê?

Brazil, Sao Paulo, Edificio Copan by Oscar Niemeye

É pique, é pique, pique!

Por Eduardo Carvalho.

Sempre tive uma relação de amor com São Paulo. Me recordo quando pequeno, ao vir passar as férias aqui, que pensava, ” um dia ainda vou morar aqui”. E esse dia chegou, há 17 anos atrás e praticamente me tornei um paulistano por adoção. Essa cidade me recebeu de braços abertos mostrou  que  sempre posso ser mais do que aquilo que pretendia.

Continue lendo É pique, é pique, pique!